terça-feira, 21 de maio de 2013

Vítimas e testemunhas começam a depor hoje na Comissão da Verdade da UnB


A UnB vai lembrar o período militar, com foco nas perseguições e em abusos sofridos por alunos, professores e funcionários da instituição



Mateus Guimarães, sobrinho de Honestino: série de questionamentos quanto ao desaparecimento do tio (Gustavo Moreno/CB/D.A. Press - 4/4/12)
Mateus Guimarães, sobrinho de Honestino: série de questionamentos quanto ao desaparecimento do tio
Começa nesta terça-feira (21/5) a fase de depoimentos de vítimas e testemunhas da ditadura pela Comissão de Memória e Verdade Anísio Teixeira da Universidade de Brasília (UnB). Assim como a Comissão Nacional da Verdade (CNV), a da UnB remonta ao período militar, mas o foco são as perseguições e os abusos sofridos por alunos, professores e funcionários da instituição. O grupo de trabalho também deve se dedicar aos casos de desaparecimento, como o do estudante de geologia Honestino Guimarães, e de mortes em circunstâncias obscuras, por exemplo, a de Anísio Teixeira (leia quadro).

O primeiro a contar a sua versão é o ex-reitor Antonio Ibañez, nesta terça-feira, às 14h30, no Auditório da Reitoria. Sessões com o ex-reitor Cristovam Buarque e mais oito integrantes da comunidade acadêmica estão previstas até junho. Os relatos serão feitos em audiências públicas.

Para isso, serão convocados ex-funcionários, professores, estudantes, familiares de vítimas, advogados dos perseguidos políticos e suspeitos de colaboração com o regime, segundo a coordenadora de Redação e Sistematização da comissão, Simone Rodrigues Pinto. “Nós queremos ouvir todos, tanto quem foi perseguido e torturado quanto quem pode ter tido participação nas atrocidades daqueles tempos. Nós vamos fazer tudo de forma pública para que a sociedade se mobilize”, revelou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário